Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

My truth

A minha verdade. O que sinto e vejo. O que sou.

My truth

A minha verdade. O que sinto e vejo. O que sou.

19.03.19

A minha verdade sobre o dia do Pai


#RapazSecreto

 

 

Nunca aqui falei sobre ele, pois já não faz parte da minha vida, desde os meus 8 ou 9 anos.

 

Olhando para trás, questiono se me amou, pois não recordo mais do que um ou dois escassos momentos de felicidade que partilhei com ele. Terão havido mais, mas só os maus resistiram ao tempo: as ausências, as falhas e as promessas por cumprir.

 

O meu pai foi daqueles que, ao divorciar-se da mulher, divorciou-se do filho. Na altura, usou-me como arma contra a minha mãe, situação que culminou com eu ter de testemunhar em tribunal, numa altura em que a minha única preocupação deveria ser brincar.

 

Pelo que sei, ele é também fruto da sua infância menos feliz. A vida não lhe foi fácil, mas ele também nunca aproveitou as oportunidades que teve para mudar. Não sei o que é feito dele, mas há dias em que penso nisso. Não lhe desejo mal, bem pelo contrário: espero que encontre um novo caminho, que ele seja feliz e melhor.

 

Haveria muito para contar sobre o que vivi durante a altura do divórcio: as vezes em que ele ia para a entrada da minha escola com amigos (razão pela qual eu estava proibido de brincar na parte do recreio cujas grades davam acesso ao exterior), as coisas que ele me disse sobre a minha família materna, a chantagem de que para estar com ele teria de sempre estar com a sua nova mulher.

 

Foi então que decidi que não valia a pena e, pelos meus nove anos, cortei relações com ele. Pelo caminho, ficou um meio-irmão por conhecer, ficaram muitas lágrimas nos dias do Pai e uma sensação de vazio.

 

Hoje, com o devido distanciamento, tenho a clara perceção do quanto tudo isto me afetou e transformou. Deixei de acreditar e confiar na maioria das pessoas, sobretudo nos homens, porque se até aquele que me deveria proteger me falhou, porque havia eu de acreditar que os outros seriam diferentes?

 

Porque nem todos nascem para ser pais ou mães, aos que verdadeiramente amam e protegem os filhos, um feliz dia do Pai! 

 

#RapazSecreto

26 comentários

Comentar post

Pág. 1/2